17

Mar,2016

Qui


21H30

DURAÇÃO


1h50

Ver Preços

Mimicat

De Teatromosca

Montag é bombeiro e em breve será capitão. Montag é um homem realizado e tem um bom emprego. Montag tem uma família feliz e tem uma casa confortável. Mas tudo isto é feito de papelão e tudo arderá tão depressa como o Livro de Jonas, as obras de Platão, os sonetos de Shakespeare, os poemas de Milton, os textos de Homero, o Moby-Dick de Melville… Montag será fogo, primeiro a consumir para destruir livros e preservar a paz social, depois a consumir tudo para preservar a memória e um legado literário ameaçado. Como a jovem Clarisse será ignição e Mildred será combustível, Montag será o fogo destruidor de uma civilização já em processo de demolição – uma ruína escondida atrás de máscaras e maquilhagem. Montag é um bombeiro contratado para destruir pelo fogo todos os bens daqueles que se atrevem a ler livros, daqueles que desrespeitam a Lei. Numa sociedade higienizada, em que as famílias são personagens em telas interativas, Montag atrever-se-á a ser leitor, a pensar, a questionar, a ser livro. Será perseguido.

A partir do romance homónimo de Ray Bradbury.

Data

17, Março 2016

Horário

21H30

Duração

1h50

Faixa etária

M/12

Preço

€7
€5 < 25, Estudante, > 65, Grupo ≥ 10, Desempregado, Parcerias

Local Auditório

Texto Ray Bradbury

Adaptação, Direção Artística Pedro Alves

Tradução Francês Thomas Resendes

Interpretação Filipe Araújo, Rute Lizardo

Colaboração Artística Patrice Douchet (Théâtre de la Tête Noire)

Criação Musical, Sonoplastia Brubo Béu

Assistência de Direção Maria Carneiro, Inês Oliveira, Mário Trigo

Cenografia Pedro Silva

Design Gráfico Alex Gozblau

Desenho de Luz Carlos Arroja

Vídeo Ricardo Reis

Fotografia Catarina Lobo

Luz, Montagem Pedro Moreira

Produção, Assessoria de Imprensa Maria Carneiro

Produção Teatromosca

Coprodução Embaixada dos EUA, Arte Institute NY, Festival AMO – Teatro, Théâtre de la Tête Noire Orléans

Clique ou faça scroll para ver o próximo evento.

Toque para ver o próximo evento.

Teatro

Portugal, Meu Remorso