16

Set

Sex


18H00

Ver Preços

École des Maîtres

Direção de Claudio Tolcachir (AR) para a École des Maîtres

acredito num teatro que vibre, latente, perigoso. Onde o mais importante não aflora à superfície

Sob a orientação do encenador argentino Claudio Tolcachir, a edição da École des Maîtres procurou ajudar os seus participantes a descobrir zonas não transitadas da sua natureza, acompanhá-los a explorar uma criatividade flexível e delicada, e construir, sem recorrer às estruturas preconcebidas daquilo que já se conhece.

“Acredito num teatro que vibre, latente, perigoso. Onde o mais importante não aflora à superfície. A construção de um esqueleto de segredos, desejos reprimidos, pensamentos contraditórios, a nossa humanidade vulnerável à flor da pele e as forças que nos atravessam e habitam no nosso comportamento físico fazem com que possamos construir outro texto por debaixo do texto, outra rede de comunicação para além das palavras e das ações. Esse mistério que nos prende como espectadores e gera a necessidade de saber cada vez mais. E nessa imersão, descobrirmo-nos a nós mesmos. 

Desejo ajudar cada aluno a descobrir zonas não transitadas da sua natureza, acompanhá-lo a explorar uma criatividade flexível e delicada, e fazermos juntos um caminho no vazio, que nos permita construir, sem recorrer às estruturas preconcebidas daquilo que já conhecemos. Um humilde e profundo trabalho de liberdade, observação, criação e comunicação, numa dinâmica de grupo. Acredito que a tarefa de um professor não é a de ensinar os outros a representar, mas ajudar cada aluno a dar à luz o ator que nele habita e que possivelmente ainda não conhece. A natureza do que somos, do que trazemos, imperfeita, acidental, cheia de humanidade, é muitas vezes deixada de fora do nosso trabalho de ator. E esse material absolutamente pessoal é o que me interessa. Acredito num teatro que vibre, latente, perigoso. Onde o mais importante não aflora à superfície. A construção de um esqueleto de segredos, desejos reprimidos, pensamentos contraditórios, a nossa humanidade vulnerável à flor da pele e as forças que nos atravessam e habitam no nosso comportamento físico fazem com que possamos construir outro texto por debaixo do texto, outra rede de comunicação para além das palavras e das ações. Esse mistério que nos prende como espectadores e gera a necessidade de saber cada vez mais. E nessa imersão, descobrirmo-nos a nós mesmos.”

 

A École des Maîtres é um dos mais significativos projetos internacionais de formação teatral avançada. Desde 2019 é coorganizado em Portugal pelo Teatro Académico de Gil Vicente e pelo Teatro Nacional D. Maria II. Esta edição decorre com o apoio de quatro países europeus – Bélgica, Itália, França e Portugal – e tem como objetivo relacionar artistas europeus com idades entre os 24 e os 35 anos, oriundos de escolas de teatro europeias e com experiência profissional, com encenadores de renome internacional. A École de Maîtres é um projeto de formação teatral avançada, idealizado por Franco Quadri em 1990.

A edição deste ano é orientada pelo argentino Claudio Tolcachir, com início em Udine (25 de agosto a 5 de setembro de 2022), com etapas de trabalho e apresentações públicas nas diversas sedes europeias do projeto: Liège (6 a 8 de setembro); Lisboa (9 a 11 de setembro); Coimbra (13 a 16 de setembro); Milão (17 a 21 de setembro); Caen (22 a 26 de setembro) e Reims (27 de setembro a 1 de outubro).

Claudio Tolcachir (Buenos Aires, 1975) ator, encenador e dramaturgo. As suas obras foram já apresentadas em mais de vinte países e foram traduzidas para seis idiomas. Desde 2001, dirige, juntamente com a sua equipa, o espaço cultural TIMBRE 4. Como professor, já deu formação em Itália (por duas vezes na Bienal de Veneza), França, Espanha, Chile, Brasil, Uruguai, Peru e Estados Unidos. Como ator, participou em mais de trinta peças, dirigido por Daniel Veronese, Norma Aleandro, Carlos Gandolfo e Roberto Villanueva, entre outros. Como encenador, em 1998, fundou juntamente com a sua equipa a companhia Timbre 4. Dirigiu peças dos dramaturgos Joe Orton, Arthur Miller, Nina Raines, Mercedes Moran, Neil Simon, e ainda os musicais Sunset Boulevard e Cabaret. Em Espanha, Tolcachir também dirigiu peças de Michael Frayn. Pelos seus trabalhos, recebeu os prémios ACE, Clarín, María Guerrero, Teatros del Mundo, Teatro XXI e foi nomeado ao prémio Konex como um dos melhores encenadores da década. Em Espanha, recebeu o prémio Ercilla e foi nomeado nos Max e, em Itália, recebeu o prémio Ubu.

Data

16, Setembro 2022

Horário

18H00

Duração

Faixa etária

a classificar

Preço

entrada gratuita

Local auditório (lotação limitada)

direção Claudio Tolcachir 

assistente de direção Hugo Samek, Nicoletta Oscuro

interpretação Ana Baptista (PT), Viola Carinci (IT), Lénaïc Brulé(BE), Filipa Carloto Matta e Silva (PT), Daniele Cavone Felicioni (PT), Julien Desmarquest Prada (FR), Christian di Filippo (IT), Sarah Espour (BE), Isabel Aimé Gonzáles Sola (FR),  Ana Maria Haddad Zavadinack (FR), Lucia Marinsalta (IT), Eduardo Molina (PT), Ophélie Trichard (FR), Paul Mosseray (BE), Lúcia Pires (PT), Laura Ughetto (BE)

apresentação pública integrada École des Maîtres, Curso Internacional Itinerante de Aperfeiçoamento Teatral 

05 SET Itália, Udine, Villa Manin di Passariano

08 SET Bélgica, Liège, Théâtre de Liège, Salle de l’oeil vert

11 SET Portugal, Lisboa, Teatro Nacional D. Maria II/Sala Estúdio

16 SET Portugal, Coimbra, Teatro Académico de Gil Vicente

21 SET Itália, Milano, Piccolo Teatro di Milano. Teatro Grassi

26 SET France, Caen, Comédie de Caen, Théâtre d’Hérouville

01 OUT France, Reims, La Comédie – CDN de Reims/Salle de la Comédie

parceiros do projeto e direção artística CSS Teatro stabile di innovazione del Friuli Venezia Giulia, Piccolo Teatro di Milano – Teatro d’Europa (Italia), CREPA – Centre de Recherche et d’Expérimentation en Pédagogie Artistique (CFWB/Bélgica), Teatro Nacional D. Maria II, TAGV – Teatro Académico de Gil Vicente (Portugal), La Comédie de Reims – Centre Dramatique National, Comédie de Caen – Centre Dramatique National de Normandie (França)

com o apoio de MiC – Direzione Generale Spettacolo, Regione Autonoma Friuli Venezia Giulia – Direzione centrale cultura, sport e solidarietà, Fondazione Friuli (Itália)

com a participação de ERPAC – Ente Regionale Patrimonio Culturale Friuli Venezia Giulia (Itália); Théâtre de Liège – Centre européen de création théâtrale et chorégraphique, Centre des Arts scéniques, Ministère de la Communauté française – Service général des Arts de la scène, Wallonie-Bruxelles Internacional (CFWB/Bélgica); La Loterie Nationale (CFWB/Belgique); Ministère de la Culture et de la Communication (França); Universidade de Coimbra (Portugal)

fotografia João Duarte, apresentação pública 16 setembro, TAGV