01

Dez

02

Dez

Qua


21H30

Qui


21H30

DURAÇÃO


1h30

Ver Preços

Monólogo de Uma Mulher Chamada Maria Com a Sua Patroa

De Sara Barros Leitão

esta é a história do trabalho invisível que põe o mundo a mexer

Título roubado clandestinamente a um texto do livro “Novas Cartas Portuguesas”. Partimos da criação do primeiro Sindicato do Serviço Doméstico em Portugal para contar a história, ainda pouco conhecida, pouco contada, pouco reconhecida, pouco valorizada, do trabalho das mulheres, do seu poder de organização, reivindicação e mudança. É a história das mulheres que limpam o mundo, das mulheres que cuidam do mundo, das mulheres que produzem, educam epreparam a força de trabalho. Esta é a história do trabalho invisível que põe o mundo a mexer.

Sara Barros Leitão (Porto, 1990) trabalha regularmente em televisão, cinema e teatro. Atualmente, trabalha como atriz, criadora, encenadora, assistente de encenação e dramaturga. Nos últimos anos destacam-se as encenações dos concertos “Trilogia das Barcas” (2018) de Gil Vicente, e “Rei Lear” (2019) de William Shakespeare, coproduzidos pelo CCB e Toy Ensemble; bem como as criações “Teoria das Três Idades” (2018) coproduzida pelo Teatro Experimental do Porto e Teatro Municipal do Porto, a partir do estudo do arquivo do TEP, e “Todos Os Dias Me Sujo De Coisas Eternas” (2019) a partir de um trabalho de investigação sobre a toponímia portuense, apresentado no projeto Cultura em Expansão. Feminista, ativista, usa o espaço de cena, o papel e a caneta como se fosse uma caixa de fósforos e um bidão de gasolina, ou um megafone para contar a história dos esquecidos.

Data

01, Dezembro 2021

02, Dezembro 2021

Horário

21H30

21H30

Duração

1h30

Faixa etária

M12

Preço

€7

€5 < 25, estudante, > 65, comunidade UC, rede alumni UC, grupo ≥ 10, desempregado, profissional do espetáculo, parcerias

Bilheteira TAGV 1 hora antes dos espetáculos e 30 minutos antes das sessões de cinema. Encerra 30 minutos após o seu início

Local auditório TAGV (lotação limitada)

criação, texto e interpretação Sara Barros Leitão

assistência à criação Susana Madeira

cenografia e figurino Nuno Carinhas

desenho de luz Cárin Geada

desenho de som José Prata

montagem e operação de som Maria Peres

montagem e operação de luz João Teixeira

coordenação e acompanhamento da pesquisa Mafalda Araújo

tradução e legendagem para inglês Amarante Abramovici

direção de produção Susana Ferreira

conceção de maquinaria António Quaresma

execução de costura Ponto sem nó

coprodução 23 Milhas, Fundação Centro Cultural de Belém, A Oficina, Cine-Teatro Louletano, Teatro Académico de Gil Vicente, Teatro do Noroeste – Centro Dramático de Viana, Teatro Municipal Baltazar Dias, Teatro Nacional São João, Teatro Viriato

residência de coprodução O Espaço do Tempo

projeto financiado Ministério da Cultura/República Portuguesa – DGArtes Direção Geral das Artes

fotografia Susana Ferreira e Diana Tinoco

Clique ou faça scroll para ver o próximo evento.

Toque para ver o próximo evento.

TAGV 60 Anos

Coimbra em Blues