28

Abr

Qui


21H30

DURAÇÃO


1h00

Ver Preços

A Criação Acidental

De Hugo Calhim Cristóvão & Joana von Mayer Trindade

não espanta assim que o Real do Bailarino como Retrato seja a insanidade. Uma cobardia insana que persegue a pacificação no morto retratar de formas mortas. Ou no morto retratar de que não deseja ser uma forma morta, demonstrando o oposto do desejo

“Jadis, si je me souviens bien, ma vie était un festin où s’ouvraient tous les cœurs, où tous les vins coulaient.” Existe a doença e existe o esconder a doença. A primeira é um Real a lidar, um modo de existir do humano. A segunda procria subterraneamente o monstruoso. É uma escolha ética. “Il faut être absolument moderne”.  Não espanta assim que o Real do Bailarino como Retrato seja a insanidade. Uma cobardia insana que persegue a pacificação no morto retratar de formas mortas. Ou no morto retratar de que não deseja ser uma forma morta, demonstrando o oposto do desejo. “Voici le temps des assassins.”. Conseguiremos a lida de reverter e inverter, de retratar a destruição do Retrato? De eliminar as nobrezas e burguesias desaparecidas, vestidas de púrpuras e veludos, que o Retrato nasce para servir? Pode o Retrato queimado, retalhado, seduzido por si como Narciso, experienciar em um momento a sua própria dissolução? Afogar-se nas águas? Se o que não é Retrato conseguir destruir um ínfimo do Retrato pode acontecer que as raízes do retrato soçobrem um ínfimo. Assim, o paradoxo que perseguimos nesta criação – O que é um Bailarino/a que tem de dançar tudo o que não se dança a si mesmo enquanto se dança a si mesmo. “J’ai tendu des cordes de clocher à clocher ; des guirlandes de fenêtre à fenêtre ; des chaînes d’or d’étoile à étoile, et je danse.”
Hugo Calhim Cristóvão & Joana von Mayer Trindade (Citações: Jean Arthur Rimbaud)

 

Hugo Calhim Cristóvão  encenador, coreógrafo, investigador. Doutorando em Filosofia (FLUP). Mestre em Filosofia Contemporânea com a tese “The Dionysian, Zos vel Thanatos, and the Zoetic Art – Sorcery of Austin Osman Spare”. Licenciado em Filosofia. Licenciado em Teatro – Ramos de Interpretação e Direção de Atores (ESMAE-IPP). 

Joana von Mayer Trindade coreógrafa, bailarina/performer e professora. Mestre em Solo, Dance, Authorship – SODA, Universidade das Artes de Berlin UDK/HZT). Licenciada em Psicologia (Universidade Porto).  Conclui o Curso de Intérpretes de Dança Contemporânea do Fórum Dança e o Curso Essais do CNDC d’Angers sob a direção de Emmanuelle Huynh. 

Juntos são co-fundadores do grupo de pesquisa NuIsIs ZoBoP (2004) e criadores de: “She Will Not Live”, “VELEDA”, “ZOS (She Will Not Live)”, “Meninas”, “Nameless Natures”, “O céu é apenas um disfarce azul do inferno”, “Da insaciabilidade no caso ou ao mesmo tempo um milagre”, “Mysterium Coniunctionis”, “Dos Suicidados – O Vício de Humilhar a Imortalidade” e “Fecundação e Alívio neste Chão Irredutível onde com Gozo me Insurjo”.

 

até 11 março Residência Artística de Hugo Calhim Cristóvão & Joana von Mayer Trindade 

28 abril 21h30 Portrait Of a Dancer as Velvet De Hugo Calhim Cristóvão & Joana von Mayer Trindade
antestreia no TAGV para o Abril Dança em Coimbra

sáb 30 abril 15h30-18h30 Portrait of a Dancer, Masterclass dirigida por Joana von Mayer Trindade & Hugo Calhim Cristóvão

Data

28, Abril 2022

Horário

21H30

Duração

1h00

Faixa etária

M6

Preço

€7

€5
< 25, estudante, > 65, comunidade UC, rede alumni UC, grupo ≥ 10, desempregado, profissional do espetáculo, parcerias

Bilheteira TAGV 1 hora antes dos espetáculos e 30 minutos antes das sessões de cinema. Encerra 30 minutos após o seu início

+ info bilheteira@tagv.uc.pt

Local auditório TAGV (lotação limitada)

direção, coreografia, dramaturgia e formação Hugo Calhim Cristóvão & Joana von Mayer Trindade

interpretação Sara Gil Agostinho

música Paulo Costa & Nuisis Zobop

desenho de luz e acompanhamento técnico Pedro Nabais

figurinos UN T

colaboração cenográfica Jérémy Pajeanc

produção e difusão  Nuisis Zobop

coprodutores atuais Teatro Municipal do Porto – Rivoli e Campo Alegre, Teatro Académico de Gil Vicente

residências Teatro Municipal do Porto – Rivoli e Campo Alegre, Campus Paulo Cunha e Silva, Centro de Criação de Candoso, Fábrica Asa, CRL-Central Elétrica, Academia de Dança de Matosinhos, Teatro Académico de Gil Vicente, Escola de Dança DNA – Dance N’Arts School

agradecimento Cristina Aguiar, Claudia Galhós, Jean Arthur Rimbaud

parceria Escola de Dança DNA – Dance N’Arts School

fotografia Hugo Calhim Cristóvão

Festival Abril Dança em Coimbra Teatro Académico de Gil Vicente/Universidade de Coimbra, Convento São Francisco/ Câmara Municipal de Coimbra