12

Jul

Seg


21H00

DURAÇÃO


2h00

Ver Preços

A Rapariga da Mala

Os Grandes Mestres do Cinema Italiano

um belíssimo filme romântico, negro e desesperado, sobre o amor, o desejo e o engano, que impôs no cinema as presenças de Claudia Cardinale e Jacques Perrin

É o filme mais célebre de Valerio Zurlini, um cineasta profundamente moderno, com uma aura particular entre os grandes do cinema italiano, a par de um Antonioni ou de um Pasolini.

Claudia Cardinale, que aqui revela a sua sensualidade e beleza selvagem, é sublime no papel de Aida, uma jovem mãe solteira que canta para ganhar a vida. Encontra Lorenzo, um homem-criança de 16 anos, filho da grande burguesia (Jacques Perrin, que se tornaria ator fetiche de Zurlini), que lhe oferece o seu amor, escondendo-lhe ser irmão do amante que acabara de a abandonar. É um encontro de duas solidões, habitado pelo gosto amargo das primeiras angústias amorosas, pela impotência para superar o peso da fatalidade social, e, ao mesmo tempo, por um forte instinto de sobrevivência das personagens.

Valerio Zurlini, um dos principais cineastas da modernidade europeia, autor de uma obra breve e incandescente “A Rapariga da Mala”, certamente o seu filme mais célebre, história de um amor impossível – tema recorrente na obra de Zurlini –, que revela uma sublime Claudia Cardinale, aqui a desempenhar o seu primeiro papel mais importante; “Outono Escaldante”, na versão integral, outra das obras-primas do realizador, de um niilismo radical e desconcertante, com Alain Delon admirável, num dos seus melhores desempenhos – ele é o professor que se apaixona por uma aluna, numa Rimini invernosa.

O ciclo Os Grandes Mestres do Cinema Italiano inclui dois filmes de Vittorio de Sica (1901-1974), nome fundamental do neorrealismo italiano do pós guerra, cuja obra espelha uma Itália destruída, um país arrasado pela crise económica e pela herança do fascismo. No final dos anos quarenta, depois de vários trabalhos com pouco sucesso comercial, o cineasta procura renovar o movimento neorrealista introduzindo elementos fantásticos, sem nunca deixar de criticar a sociedade italiana da época. Na década de cinquenta, com o declínio do neorrealismo, De Sica aposta na comédia social assumindo-se como um dos melhores realizadores da comédia italiana.
São também exibidos dois filmes de Valerio Zurlini (1926-1982) um dos principais cineastas da modernidade europeia, com uma obra breve e sublime. Representante da primeira geração neorrealista, o seu cinema é marcado pelo existencialismo e pela crítica à miséria de um mundo que acabava de sair da Segunda Grande Guerra. Zurlini filmava os pequenos gestos e as emoções de uma forma tocante e bela. Os seus filmes apresentam personagens melancólicas, inadaptadas, esmagadas por uma vida injusta, onde não há esperança. A beleza dos planos cinematográficos e das personagens de Zurlini contrasta com o vazio das suas vidas.

Data

12, Julho 2021

Horário

21H00

Duração

2h00

Faixa etária

M12

Preço

€5

€3,5 < 25, estudante, > 65, comunidade UC, rede alumni UC, grupo ≥ 10, desempregado, profissional do espetáculo, parcerias

Bilheteira TAGV 1 hora antes dos espetáculos e 30 minutos antes das sessões de cinema. Encerra 30 minutos após o seu início

Local auditório TAGV

De Valerio Zurlini

Com Claudia Cardinale, Jacques Perrin, Luciana Angiolillo, Renato Baldini

Origem Itália, França, 1961

Festival de Cannes Seleção Oficial

Prémios David di Donatello Prémio Special David para Claudia Cardinale

Cópia digital restaurada

Ciclo Os Grandes Mestres do Cinema Italiano

Clique ou faça scroll para ver o próximo evento.

Toque para ver o próximo evento.

Cinema à Segunda

Nomadland — Sobreviver na América